Life&Style

Tudo o que deve ser levado em consideração para tirar um período sabático

Embora a estabilidade na carreira seja o desejo da maior parte das pessoas, há quem lute para alcançar este objetivo e depois descubra que o sucesso não satisfaz. A rotina atribulada e repetitiva, pouco tempo para sair com a família e até o distanciamento da natureza são alguns motivos que levam cada vez mais pessoas a tirar um período sabático. Durante esse tempo, o profissional se desliga da carreira, encontra uma nova função para ganhar dinheiro e foge para as colinas ou para a praia.

iStock_000043044266_Small

Nascido no Rio de Janeiro, Daniel Noronha, bacharel em Marketing, sempre saiu de casa para buscar respostas que não encontrava em sua cidade natal. Atualmente, aos 32 anos, ele administra uma pousada em Búzios, a 180 km da capital, ao lado do filho de um ano e da mulher. Mesmo tendo encontrado mais sucesso nessa pequena cidade do que na metrópole, Noronha resolveu tirar um período sabático neste ano em Lumiar, no interior fluminense.

Pouco conhecida por turistas de outras partes do país, Lumiar ainda se mantém preservada em sua essência e esta foi a maior conquista para a família Noronha. “A experiência foi marcante e acreditamos que um dia poderemos voltar. Mesmo vivendo em Búzios queríamos algo mais provinciano”, afirma.

Para ele, os períodos sabáticos proporcionam aprendizados ainda maiores do que as viagens curtas, pois é possível viver as cidades mais intensamente, como se fosse um morador fixo. Além da incrível vivência de descansar em um novo lugar ou sair sem destino, esse momento também proporciona uma bagagem extraordinária, mostrando que há diversos mundos e jeitos de viver.

Vale a pena?

Tirar um ano sabático para conhecer uma nova cultura e deixar as ideias fluírem livremente é uma ótima ideia, porém é importante perceber se o pretendente a viajante possui certas características. Estar aberto a novas descobertas, quebrar conceitos que até então eram tidos como certos, gostar de conversar para fazer amizades durante o caminho e ser versátil para trabalhar em funções diversas, sobretudo se não tiver dinheiro para viver durante muitos anos, é fundamental. No caso de Noronha, ele continuou cuidando da Pousada Buziana a distância, até porque morou em Lumiar durante a baixa temporada.

O que fazer

Para quem quer morar temporariamente em um local, a transferência de residência é semelhante a uma mudança comum. Durante a estadia fora, vale a pena colocar a casa ou o apartamento para alugar, assim terá um dinheiro a mais para ajudar nas novas despesas. Como a residência é temporária, se estiver indo a uma outra cidade brasileira, é melhor levar os próprios móveis do que adquirir novos no local. Além de ser mais econômico, ter os próprios pertences por perto ajuda a dar uma leve sensação de familiaridade. Para transportá-los, há algumas alternativas, como a contratação de uma transportadora ou o uso do próprio veículo.

O aluguel também sai mais em conta do que a compra de uma casa. Cidades interioranas, como Lumiar, possuem o custo de vida mais baixo em relação às grandes metrópoles e isso pode ser observado no aluguel. Porém, essa condição favorável é compensada pelo fato de as cidades menores terem menos estabelecimentos que as grandes.

Em virtude disso, antes de abandonar o emprego e preparar as malas, é fundamental colocar na ponta do lápis os gastos e as possíveis fontes de renda. Esperar encontrar emprego, mesmo que seja informal e temporário, em uma cidade mais afastada pode não ser tão fácil, por isso levar uma quantia extra é obrigatório.

O aprendizado

O aprendizado que os viajantes adquirem durante o período sabático é válido tanto para a vida pessoal quanto profissional. Algumas empresas mais atentas ao bem-estar dos colaboradores e à produtividade e criatividade estão valorizando candidatos que tenham tido uma vivência como essa.

Simplesmente viajar não basta, é preciso saber sintetizar quais experiências podem ser aproveitadas no dia a dia. Alguém que tira seis meses para fazer voluntariado em outra cidade, por exemplo, provavelmente possui histórias fantásticas para contar aos amigos e habilidades para aplicar na empresa. “Fora do checklist do que fazer em cada lugar e em cada hora, abrimos o campo para o novo”, conclui Noronha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *