Dicas & Destinos

Orcas estão de volta à Península Valdés

Entre março e maio é possível observá-las na frente da Punta Norte praticando uma tática predatória que só acontece nesta parte do mundo. As orcas impulsionam seus corpos para fora para caçar filhotes de lobos. A partir deste ano comemora-se o “Dia Estadual da Orca” em homenagem ao exemplar mais famoso, Mel.

Península Valdés

Pertencem a três famílias, lideradas por uma fêmea, e há alguns exemplares mais que se movem sozinhos. São 23 no total. Seus nomes são escolhidos pelos alunos da escola de Península Valdés por votação. Jazmín, Valen, Maga, Pao, Solei, Aiken, Karut, Mica são alguns deles. São as orcas que cada ano, entre março e maio e entre setembro e dezembro encalham intencionalmente na beira do mar para caçar filhotes de elefantes e de lobos-marinos, um espetáculo que só é possível presenciar nas costas de Chubut, na Patagônia argentina.

O fenômeno, único no mundo, acontece nas imediações da Península Valdés, um reservatório de biodiversidade e de vida natural declarado Patrimônio da Humanidade em 1999 pela UNESCO. É o único lugar em que as orcas praticam esta técnica, realizada quando a maré está alta e o mar calmo, correndo o risco de não poder regressar às profundezas do oceano. Em outras partes do mundo onde as orcas habitam, como Noruega, Canadá, Nova Zelândia ou Antártica, elas se alimentam de diferentes formas, mas sempre na água.

Há dois pontos geográficos dos quais é possível observar o encalhe intencional das orcas: Punta Norte, a 76 km de Puerto Pirámides (entre março e maio) e Caleta Valdés, a 79 km, (do final de setembro a princípios de dezembro). Ambos contam com trilhas e mirantes acessíveis para os locais e turistas que chegam à área. Em épocas de fronteiras abertas também chegam cinegrafistas e fotógrafos do mundo todo para registrar este comportamento singular e único das orcas. O melhor momento para vê-las é na faixa de tempo que rodeia o pico da maré alta, quando o mar está tranquilo.

Algo sobre as orcas

As orcas vivem entre 50 e 80 anos e se agrupam geralmente em famílias matriarcais, lideradas pela fêmea mais velha. Podem ter uns nove metros de comprimento, no caso dos machos e de seis, no das fêmeas. Aos 12 anos alcançam sua maturidade sexual e a gestação, na qual dão à luz uma cria por vez, dura 17 meses. Os jovens da família são instruídos pelos mais velhos quanto à técnica do encalhe até que começam a praticá-la eles mesmos.

A história

Em 1974, Juan Carlos López, que era guarda-florestal em Punta Norte, começou a observar as orcas na Península Valdés. Bernando e Mel foram as primeiras identificadas por ele, dois machos que realizaram encalhes juntos até 1993, ano em que Bernando desapareceu. Mel continuou visitando sozinho as costas e terminou se convertendo na orca mais famosa do mundo, depois de ser filmada pelas equipes da National Geographic e da BBC. Em 16 de março de 2011 foi o último dia em que Mel foi visto, por isso escolheram essa data para comemorar o “Dia Estadual da Orca”. Os nomes de Bernando e Mel tinham sido escolhidos em homenagem a dois cientistas que estudaram o comportamento das orcas na região, Bernard Würsig e a esposa Melanie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *