Hospedagem

Airbnb enfrenta problemas por causa de barulho em casas alugadas para festas

O Airbnb chegou no mercado imobiliário como uma opção tanto para proprietários de imóveis que procuram monetizar seus espaços com mais facilidade, quanto para viajantes que buscam por um lar longe de casa. A plataforma faz o trabalho de conectar os dois públicos com garantias para os dois lados, disponibilizando uma transição financeira com segurança e praticidade. 

casas alugadas para festas

Não são só turistas e hóspedes de outras cidades que optam por alugar acomodações pelo Airbnb. O site também é bastante procurado para locações curtas de imóveis grandes e bem decorados para a realização de eventos. O problema é que a plataforma tem enfrentado reclamações diversas sobre esse tipo de locação em casas onde o tratamento acústico não é adequado para eventos dessa natureza. 

As casas de festas e até alguns imóveis mais modernos já contêm em sua construção o isolamento acústico necessário para não perturbar a paz dos vizinhos com festas, principalmente quando se aproxima o período de fim de ano. Mas os valores elevados para essas locações e o estilo de imóveis antigos ainda atraem pessoas interessadas em promover eventos nesses locais. 

Entenda melhor a questão e as soluções que a plataforma tem proposto para o problema. 

O barulho e as questões de segurança nas casas de festas

O aluguel temporário de imóveis pelo Airbnb para eventos não é necessariamente uma novidade, mas a pandemia e o isolamento social fizeram aumentar o número de casos. Espaços de eventos não têm tido a autorização de prefeituras para receber aglomerações e este público tem buscado por alternativas. 

Entre julho e setembro, reclamações contra acontecimentos do tipo aumentaram 250% em sites como o Airbnb e o Vrbo, em relação ao ano passado. Em julho, a polícia de Nova Jersey interrompeu uma festa com mais de 700 pessoas em um imóvel alugado pelo Airbnb. 

O número exagerado de convidados não só é um incômodo aos vizinhos pelo barulho, mas também por questões de segurança e da própria preservação dos imóveis — que, muitas vezes, são as moradias dos próprios anfitriões. Além do barulho, pelo menos 27 tiroteios foram registrados entre março e outubro como tendo relação a aluguéis do Airbnb nos Estados Unidos e no Canadá, de acordo com Jessica Black, ativista que luta contra aluguéis de curto prazo. Os números do levantamento feito a partir de notícias locais, foram verificados pelo “The New York Times”.

Este problema não é isolado nos Estados Unidos e Canadá. Este ano, uma residência familiar no bairro Alto de Pinheiros, em São Paulo, foi destruída após uma festa irregular que reuniu personalidades do esporte, entre eles o ex-atacante do Grêmio André, o jogador do Coritiba, Giovanni Augusto (na época jogava pelo Vasco), Lucas Crispim, o ex atleta do São Bento e ex-namorado de Rafaela Santos, irmã de Neymar, além de Ricardo Lucarelli, da Seleção Brasileira de Vôlei e o cantor Mariano, da dupla Munhoz e Mariano.

Ao retornar à sua casa, a roteirista Julia Priolli teve que lidar com o caos deixado pelo grupo. Sua casa estava com um limite de 6 pessoas no cadastro do site mas, segundo ela, fotografias comprovam a presença de cerca de 150 convidados no evento. Entre a bagunça, Julia diz ter encontrado paredes sujas, cadeiras espalhadas pela casa, canos quebrados, itens pessoais espalhados pelo ambiente e toalhas sujas de vômito e com vestígio de fezes.

As soluções propostas pelo Airbnb

Ainda que a procura esteja alta, esse tipo de situação representa um risco para a reputação e os negócios do Airbnb, agora que a empresa de US$ 18 bilhões se prepara para entrar no mercado de ações este ano. 

Em julho deste ano, o Airbnb divulgou novas regras para a prevenção de festas em imóveis alugados pela plataforma. Uma delas é a proibição de reservas de casas inteiras feitas por hóspedes com menos de 25 anos e com menos de três avaliações positivas no site, perto de onde moram. Em agosto, mês em que solicitou a oferta pública, impôs um limite de 16 pessoas em reservas, proibiu festas e processou os hóspedes responsáveis pelos eventos.

Além disso, a plataforma tem incentivado seus anfitriões a investirem em dispositivos inteligentes para prevenção de festas, como detectores de fumaça e sensores de temperatura e nível de ruído. Assim, o anfitrião recebe um alerta imediatamente pelo celular quando algo suspeito acontece, para que possa tomar as devidas providências e evitar um estrago maior. O site divulgou que descontos para a aquisição desses sensores serão oferecidos aos anfitriões em todo o mundo.

Cuidado com as aglomerações

Mesmo que estejamos todos cansados das normas de isolamento social e as festas de fim de ano estejam chegando, a pandemia ainda é uma realidade. Tanto é que muitas cidades têm registrado uma alta em número de casos correspondente à segunda onda de contaminações, após um breve declínio. 

Por isso, algumas prefeituras e governos foram levados a aumentar novamente as restrições a bares e restaurantes e a proibir festas de fim de ano, como Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Manaus. Isso porque as taxas de ocupação de leitos em hospitais está acima de 80% em alguns locais. 

Ou seja, ainda que não haja a degradação de acomodações alugadas pelo Airbnb, as festas de fim de ano representam um risco à saúde pública. É importante se preocupar com a saúde de pessoas em grupo de risco, além da sua própria. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *