Hospedagem

Hotel coloca máscara contra coronavírus em estátua de macaco

A estátua do chimpanzé que recebe os hospedes na entrada do The Walled Off Hotel, recebeu uma máscara de proteção contra coronavírus

coronavírus

O hotel do artista britânico Banksy em Belém, na Cisjordânia, colocou uma máscara de proteção na escultura de um macaco recepcionista na entrada do local. A intervenção ocorre em um momento de medo entre moradores e turistas, por causa do avanço do novo coronavírus na região.

Pandemia de coronavírus: como fica a cobertura do seguro viagem

Os macacos são um tema comum no trabalho de Banksy. No The Walled Off Hotel, localizado perto da barreira de concreto entre Cisjordânia e Israel, há a estátua de um macaco com uma jaqueta e chapéu vermelhos de recepcionista e carregando bagagem na porta principal. Agora, ele também tem uma máscara de proteção no rosto.

No site www.walledoffhotel.com, o hotel informou aos hóspedes que turistas de “certos países” foram proibidos de entrar em territórios palestinos e em Israel em razão do vírus, e alertou para que verifiquem a lista publicada antes de viajar.

The Walled Off Hotel é um hotel repleto de obras de arte assinadas por Banksy e seus amigos Sami Musa e Dominique Petrin, questionando a existência do muro que divide a Palestina de Israel. A localização é, obviamente, a poucos metros do muro e o hotel está aberto ao público, tanto para passear nas áreas comuns, quanto se hospedar nos quartos disponíveis.

O trabalho de criação, desenvolvimento e reforma durou no total 14 meses, e inclui restaurante, bar, quartos coletivos, quartos privativos e suíte presidencial. Os artistas ainda desenvolveram um museu e uma galeria dentro do espaço, com exposições fixas.

A proximidade da região de conflito não tira a seguridade do projeto, localizado em um bairro movimentado socialmente, com opções gastronômicas e de entretenimento nos arredores. Além disso, a equipe do The Walled Off Hotel foi treinada para proteger não só as obras de arte espalhadas por todos os ambientes, mas também os visitantes.

Os quartos estão divididos nas categorias Artist, Scenic, Budget  e Presidential, todos com vista para a cidade, incluindo o muro e as toneladas de concreto presentes nos terrenos adjacentes. Para a última e mais poderosa opção de estadia, o artista intitula o espaço como um verdadeiro palacete, onde contém tudo o que uma mente política corrupta teria: quadros caros, banheira para quatro pessoas, bar privativo, home cinema, livraria e até cascata d’água.

O feito mistura conceitos de galeria de arte e instalação, fazendo um processo de imersão real do visitante no universo deste conflito centenário. Uma obra real e necessária levando em conta a atual situação social e política do mundo, que parece usar cada vez mais muros para segregar as diferenças e tentar manter o controle sobre uma homogenia monótona e cega.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *