Coronavírus | OMS declara emergência de saúde internacional

Novo coronavírus é emergência de saúde internacional, declara OMS em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (30). Órgão pede ação internacional coordenada para o combate à doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta quinta-feira (30) que os casos do novo coronavírus são uma emergência de saúde pública de interesse internacional. São milhares de infecções na China e em 18 países. Com isso, uma ação coordenada de combate à doença deverá ser traçada entre diferentes autoridades e governos.

A OMS também divulgou o nome oficial da doença causada pelo novo coronavírus: “Doença Respiratória de 2019-nCoV”.

O que muda com a declaração de ’emergência internacional’ da OMS?

Os países membros da OMS, quando sob emergência internacional, responsabilizam-se por providenciar “vigilância, documentação, notificação, verificação, reação e atividades de colaboração” para reagir à ameaça em questão. Nações signatárias precisam “confirmar o status de eventos reportados e dar apoio à implementação de medidas adicionais de controle”.

Caso seja necessário, a organização também pode coordenar esforços de compartilhamento de infraestrutura para que países menos equipados consigam conter a disseminação de doenças e contaminantes possa ser feita de maneira mais efetiva.

A OMS também pode fazer sugestões para restrições de viagens e exigir a notificação de casos confirmados da doença, medidas que já estão sendo tomadas por vários países.

Orientações e medidas para evitar a transmissão da virose

A Anvisa está adotando medidas de orientação e controle de viajantes nos pontos de entrada no país. Até o momento, não há recomendação de restrições de viagem por conta da Coronavírus.

Coronavírus

A Anvisa definiu algumas medidas iniciais para orientar os pontos de entrada em portos, aeroportos e fronteiras sobre o novo coronavírus (nCoV), e as medidas de prevenção estão sendo revistas principalmente nos principais aeroportos de conexão proveniente da China para avaliação de riscos. Entre eles estão os aeroportos internacionais de São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro, Brasília e Campinas (Viracopos). Assim como os aeroportos e postos de fronteira, as redes estaduais e municipais de saúde foram notificadas para considerar a hipótese do coronavírus em caso de pacientes com sintomas. 

Orientação das equipes de vigilância sanitária e dos postos médicos dos pontos de entrada para a detecção de casos suspeitos e utilização de equipamento de proteção individual (EPI), conforme descrito nos protocolos da Anvisa para capacidade e resposta a eventos de saúde pública.

  • Aumento da sensibilidade para detecção do novo coronavírus (nCoV).
  • Reforço das orientações para notificação imediata de casos suspeitos do nCoV nos pontos de entrada.
  • Intensificação dos procedimentos de limpeza e desinfecção nos terminais e utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs), conforme protocolos.

Também são recomendadas cautelas para se evitar medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias.

A Anvisa está acompanhando as orientações da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde.

Até o momento, as únicas áreas com transmissão local do vírus são a província de Hubei, com o epicentro em Wuhan e a província de Guangdong, na China. Os indivíduos que estiveram nestes locais e manifestarem os sintomas do coronavírus devem procurar imediatamente os serviços de saúde notificados.

O que é o novo coronavírus? 

É um vírus que tem causado doença respiratória pelo agente coronavírus, recentemente identificado na China. Os coronavírus são uma grande família viral, conhecidos desde meados de 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum. Alguns coronavírus podem causar doenças graves com impacto importante em termos de saúde pública, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), identificada em 2002 e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), identificada em 2012. 

Qual a forma de transmissão do vírus? 

Ainda não está claro com que facilidade o novo coronavírus se espalha de pessoa para pessoa. As investigações estão em andamento, mas a disseminação do novo coronavírus está ocorrendo e pode ser de forma continuada. Alguns vírus são altamente contagiosos (como sarampo), enquanto outros são menos. 

E de que animal ele vem? Uma vez que é identificado o animal reservatório, como é chamado o ser vivo onde um agente infeccioso vive e se multiplica, é muito mais fácil lidar com isso. Os casos têm sido associados ao mercado público de frutos do mar em Wuhan. Ainda que alguns mamíferos aquáticos possam portar o coronavírus, como a baleia-beluga, também são comercializados no mercado outras classes de animais selvagens vivos, o que inclui galinhas, morcegos, coelhos e cobras — e são apontados como fontes mais prováveis. 

Quais são os sintomas do novo coronavírus? 

  • Em casos menos graves: Febre e dificuldade de respirar;
  • Em casos mais graves: Síndrome respiratória aguda grave e insuficiência renal

Os sintomas iniciais que devem ser considerados como caso suspeito de pneumonia indeterminada são febre alta (acima de 38 graus), tosse ou dificuldade de respirar, uma ou mais das seguintes exposições durante os dez dias anteriores ao início dos sintomas: contato próximo com uma pessoa que seja suspeita ou provável caso da pneumonia identificada na China, e histórico de viagens para uma área com transmissão local recente da pneumonia. 

Existe alguma forma de prevenção?

Entre as orientações estão: 

  • evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas; 
  • evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas e criações;
  • cozinhar bem carne e ovos.

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, como realizar frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir alimentos, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca. Além disso, não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas, manter os ambientes bem ventilados, evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença.

Ciclo do novo coronavírus

A transmissão acontece por contágio via animal (contato com carne de animais silvestres) ou entre humanos. A forma mais comum é pelo ar quando pessoas contaminadas tossem ou espirram, espalhando o vírus.

Informações gerais

O Ministério da Saúde está atualizando as áreas com transmissão local de acordo com as informações da OMS no link: saude.gov.br/listacorona. E também tem divulgando Boletins Epidemiológicos, com informações sobre o assunto.

Com informações do Portal Anvisa, saude.gov.br/saude-de-a-z/novocoronavirus, who.int/health-topics/coronavirus (em inglês), who.int/westernpacific/emergencies/pneumonia-in-wuhan-china (em inglês), Disease Outbreak News: www.who.int/csr/don/en/ (em inglês), Novel coronavirus in Thailand: www.who.int/news-room/detail/13-01-2020-who-statement-on-novel-coronavirus-in-thailand (em inglês) e Interim guidance information developed for Member States: www.who.int/health-topics/coronavirus (em inglês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *