Planeta Mulher

A mulher e o desafio da fala em público

Por que as mulheres são recatadas na hora de se posicionar publicamente?

fala em público

É muito comum observarmos mulheres competentes, empoderadas, inteligentes e, até mesmo, mulheres que já ocupam cargos de poder e que já exercem uma grande influência na sociedade, fugirem da responsabilidade de falar em público ou alegarem despreparo, nervosismo e ansiedade no ato da fala.

“Existem três elementos cruciais para entender esse fenômeno na vida das mulheres, por onde também poderemos construir as alternativas de superação e de libertação delas”, conta Sirley Maciel, analista comportamental e escritora.

O primeiro está associado à condição da fala feminina, considerada social, cultural e historicamente, como uma fala de segunda ordem. Nos dias de hoje, mesmo ocupando cargos de chefias, de liderança e de destaque na sociedade, as mulheres não consideram esses espaços como seus. Elas alegam se sentirem radiografadas, julgadas, observadas e analisadas.

“Esses sentimentos desconfortáveis, geram vários mecanismos de desculpas e de resistência das mulheres para não enfrentar os espaços de fala pública”, relata a especialista. Uma alegação muito comum é de que as mulheres constrangem mais que os homens e que os mecanismos de constrangimentos vindo dos homens são diferentes daqueles vindo de mulheres, sendo esses mais cruéis, dado ao sistema patriarcalista da nossa sociedade.

A segunda constatação é de que a fala masculina vem sendo historicamente classificada como a fala normativa, padrão, correta e de poder.

Nesse sentido, os desafios a serem ultrapassados pelas mulheres só se ampliam. “Elas, nos espaços públicos, estão sempre em lugares que não são considerados delas, sendo observadas, como uma voz errada, feia, fina e que não passa segurança, verdade e confiança. Isso porque a voz masculina é considerada, inclusive pelas próprias mulheres, como detentoras de uma voz forte, bonita, imponente e que passa a verdade, segurança e confiança, o que precisa ser desconstruído”, explica Sirley.

E a terceira constatação, está nos corpos, gestos e posturas de homens e mulheres. Ao se sentirem inseguros, os homens tendem a enfrentar os desafios com uma postura gestual e corporal que representa segurança, confiança e determinação. Isso porque, a oratória é algo que estaria inerente à condição de gênero para os homens.

Assim sendo, eles jamais admitem ou expressam as reais condições e os reais sentimentos nesses momentos de exposição pública. As mulheres tendem a ser mais sinceras e contam ou expressam toda a sua realidade, vivacidade e a sinceridade das inquietudes que sentem nesses momentos de atuação pública.

O que fazer para tornar esses momentos ainda mais gratificantes, prazerosos e produtivos para as mulheres? A especialista explica:

1) Trabalhar e desenvolver a autoestima nas mulheres;

2) Realizar treinamentos de comunicação e oratória exclusivos para mulheres e, de preferência, por pessoas que tenham pesquisas e compreendam as diferenças e necessidades específicas das mulheres;

3) Desenvolver novas pesquisas para ajustar as necessidades técnicas da oratória às necessidades das mulheres. Reconhecendo em sua comunicação e oratória as qualidades, diferenciais e eficiências que tornam a comunicação feminina uma necessidade para a oratória moderna. Minimizando assim, os efeitos destrutivos das relações machistas, preconceituosas que penduram e das quais as mulheres ainda estão sujeitas.

Uma empresa que investe em melhorias para seus profissionais, é uma empresa com qualidade e de respeito. Se adequar à modernidade não é só uma possibilidade, mas uma necessidade. A inclusão de todos em todos os setores não é um capricho, é um dever.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *