Variedades & Tecnologia

Coronavírus: O que fazer na volta da viagem internacional?

Definitivamente não está sendo fácil conviver com essa pandemia de Coronavírus em nenhum aspecto, e no turismo, vemos uma preocupação ainda maior para cuidar que o vírus não se espalhe ainda mais rapidamente, podendo causar um caos total no sistema de saúde.

volta da viagem

Pensando nisso, optamos por publicar, aqui no Portal Embarque na Viagem, uma matéria muito relevante e de utilidade pública, realizada pelo jornalista Rafael Machado, do Portal Drauzio Varella. As orientações são extremamente importantes e precisam ser seguidas à risca por quem está retornando de uma viagem. Veja a seguir: 

Quem voltou de viagem nos últimos 14 dias e tiver febre acompanhada de outros sintomas deve permanecer em isolamento para evitar propagação do coronavírus.

Como forma evitar a disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2, que provoca a doença batizada de Covid-19), o Ministério da Saúde dá orientações específicas para pessoas que voltaram de viagem internacional entre fevereiro e março de 2020.

Veja mais:

Coronavírus: recomendações para sua viagem

Pandemia de coronavírus: como fica a cobertura do seguro viagem

Leis de proteção ao consumidor evitam prejuízos aos que deixaram de viajar por causa do coronavírus

De acordo com boletim publicado em 14 de março, pessoas que voltaram do exterior nos últimos 14 dias e apresentam febre, OU um ou mais dos sintomas listados abaixo, devem ser consideradas casos suspeitos para a doença.

  • Tosse;
  • Dificuldade para respirar (você fica muito ofegante com um pequeno esforço, ou mesmo em repouso precisa se esforçar muito para para puxar o ar);
  • Produção de escarro;
  • Congestão nasal;
  • Congestão conjuntival (quando os vasos sanguíneos dos olhos ficam aparentes, com vermelhidão);
  • Dificuldade para engolir;
  • Dor de garganta;
  • Coriza;
  • Saturação de oxigênio menor que 95% (a ser verificada por um profissional de saúde);
  • Sinais de cianose, coloração azulada ou arroxeada na pele (principalmente lábios e pontas dos dedos) que indica oxigenação deficiente; 
  • Batimento de asa de nariz (as narinas se alargam ao respirar);
  • Tiragem intercostal (a musculatura da costela se retrai durante a inspiração, em vez de expandir).

Se um dos sintomas apresentados for a dificuldade para respirar, procure assistência médica para uma avaliação mais detalhada.

No caso dos demais sintomas, o indicado é o isolamento domiciliar ou hospitalar durante 14 dias, controlando o desconforto com medicamentos. Nesse período, evite contato com outras pessoas, principalmente aquelas que fazem parte do grupos de risco, como idosos e pessoas com doenças crônicas.

Quem tiver sintomas leves deve evitar procurar os serviços de saúde, já que podem se expor ao vírus caso não estejam infectadas e sobrecarregar o SUS e os hospitais privados, prejudicando quem precisa de atendimento prioritário.

Veja mais:

Coronavírus: Dr. Drauzio Varella fala sobre fake news, contágio e prevenção

5 mitos sobre o coronavírus que fizeram barulho em 2020

Não existe recomendação específica para quem voltou de viagem e não apresentar sintomas, mas vale lembrar que os primeiros sintomas podem surgir entre 5 e 11 dias após o contato com o vírus, portanto, preste atenção ao seu estado de saúde por pelo menos esse intervalo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *