Dicas & Destinos

Rota sustentável: Como diminuir sua pegada de carbono nas viagens?

Medidas práticas podem ser adotadas também no dia a dia, estabelecendo uma rotina sustentável

pegada de carbono

Hoje em dia, a gente ouve falar muito sobre sustentabilidade, meio ambiente e pegada de carbono. Vemos que muitas empresas estão realmente preocupadas com o impacto que causam no meio ambiente e buscam soluções para se tornarem cada vez mais eco friendlys. Mas e o cidadão comum? Qual é o seu impacto e a sua responsabilidade?

Nessa época de férias de verão, muitas famílias pegam a estrada rumo ao litoral e ao interior em busca de paz e descanso. A Viação Santa Cruz Passagens, por exemplo, costuma transportar centenas de pessoas diariamente para as tão sonhadas férias. O que essas pessoas desconhecem, muitas vezes, é que elas podem, com atitudes simples, diminuir a sua pegada de carbono durante as viagens. Quer ver só?

Escolha da rota e meio de transporte

O primeiro passo para diminuir a poluição gerada devido à programação de férias é escolher a melhor rota. Ao evitar congestionamentos, não apenas é mais rápido chegar ao destino, como também se gera menos poluição, pois se gasta menos combustível no trajeto.

Sempre que possível, dê carona e priorize o uso de combustíveis limpos, como o etanol, que é renovável e emite 90% menos poluentes na atmosfera do que a gasolina, e ainda é mais econômico para o turista.

Uma ideia ainda melhor é deixar o carro em casa e optar pelo transporte coletivo, como os ônibus, para fazer viagens curtas entre cidades e estados. Muitos, inclusive, já estão adotando combustíveis limpos e a energia elétrica, a fim de colaborarem com o meio ambiente.

Lixo no lixo

Muitas vezes, a rota de viagem inclui algumas paradinhas específicas para reabastecer, esticar as pernas e comer ou beber alguma coisa.

Até aí, tudo bem, o principal é saber o que fazer com o lixo daquilo que foi consumido. Destinar os resíduos ao lugar certo pode fazer toda a diferença para a preservação do meio ambiente. 

Dê preferência aos alimentos embalados em materiais biodegradáveis, como papel e saco plástico de milho ou cana-de-açúcar — existe um selo que indica, na embalagem, se o material é advindo dessas plantas. Priorize o consumo de frutas e verduras, além de serem melhor para a saúde, poluem menos do que os alimentos industrializados, e prefira sempre aquilo que vem de produtores locais.

Ao fim do consumo, veja se a embalagem pode ser reaproveitada. Em geral, os recipientes de vidro, por exemplo, podem ser levados para casa e serem reutilizados das mais variadas formas, gerando, assim, novas utilidades. O que não será reaproveitado deve ser descartado da forma correta, preferencialmente em lixeiras de coleta seletiva, que garantem que os itens vão para a reciclagem e contribuem com a renda de trabalhadores envolvidos nos serviços de reciclagem.

O papel de cada um

Uma reportagem divulgada pela Revista Nós apontou que, apenas em 2018, foram produzidos 37 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, o famoso CO2, em todo o mundo. “É como se cada habitante tivesse emitido cerca de 5 mil kg de carbono por ano”, aponta o texto.

Pegada de carbono

Pode soar meio absurdo, mas é que isso tem a ver com as escolhas que fazemos no nosso dia a dia. Cada decisão tomada, cada atitude adotada colabora para a emissão ou redução dos índices de poluentes.

Lidar com a questão é essencial ao longo do ano e cada um pode começar quando quiser e puder. A viagem de férias é apenas um exemplo de como dar esse primeiro passo rumo à sustentabilidade de forma calculada e tranquila, já que não estamos no estresse do cotidiano.

Repense os hábitos e a forma de consumo. A natureza e o futuro agradecem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *