Variedades & Tecnologia

Most Influential People of African Descent destaca os 100 negros mais influentes do mundo

Leci Brandão representará o Brasil na cerimônia de abertura do Most Influential People of Africa Descent 2020

Most Influential  People of Africa Descent

Entre os dias 2 e 4 de outubro, acontece a edição 2020 do Most Influential People of Africa Descent – MIPAD – prêmio que homenageia as 100 personalidades negras mais influentes do mundo. Realizado desde 2017 em Nova York, o MIPAD sempre ocorre após a abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, mas esta edição, devido à pandemia do COVID19, será totalmente online.

Para representar o Brasil na premiação, que conta com a participação de diversos líderes mundiais, foi convidada a cantora Leci Brandão. A iniciativa de convidar Leci partiu da empresária Nina Silva, Contry Director MIPAD e CEO do Movimento Black Money, e contou com a oN! Hub Cultural, fundada pela empresária Tania Regina para gerar essa conexão.

OMIPAD, que tem como objetivo homenagear artistas e cidadãos que se posicionam contra o racismo e lutam a favor do direito dos negros, conta com quatro categorias: Política e Governança, Negócios e Empreendedorismo, Mídia e Cultura e Empreendimentos Humanitários. Diversas personalidades mundiais já conquistaram esse reconhecimento -que tem com o apoio da ONU- entre eles estão nomes como o piloto Lewis Hamilton, o corredor Usain Bolt, as cantoras Beyoncé e Rihanna, o jogador de basquete Lebron James, a tenista Serena Williams, o jogador de futebol Paul Pogba, Chadwick Boseman (o Pantera Negra) e o casal brasileiro Taís Araújo e Lázaro Ramos.

MIPAD 2020

O MIPAD (Most Influential People of Africa Descent) é uma iniciativa da sociedade civil global em apoio à Década Internacional das Nações Unidas para pessoas de ascendência africana, com foco no reconhecimento. A lista, publicada desde 2017, é composta por 100 personalidades que se destacam entre os empreendedores/realizadores de ascendência africana em todo o mundo. A premiação será realizada anualmente até 2024, quando se encerra a década afrodescendente, estabelecida pela Organização das Nações Unidas.

DÉCADA AFRODESCENDENTE


A Assembleia Geral da ONU proclamou o período entre 2015 e 2024 como a Década Internacional de Afrodescendentes. Ao fazê-lo, a comunidade internacional reconhece que os povos afrodescendentes representam um grupo distinto cujos direitos humanos precisam ser promovidos e protegidos.

Cerca de 200 milhões de pessoas que se identificam como afrodescendentes vivem nas Américas. Muitos outros milhões vivem em outras partes do mundo, fora do continente africano.

Com o tema “reconhecimento, justiça e desenvolvimento”, a Década enfatiza a necessidade de reforçar a cooperação nacional, regional e internacional em relação ao pleno aproveitamento dos direitos econômicos, sociais, culturais, civis e políticos de pessoas de afrodescendentes, bem como sua participação plena e igualitária em todos os aspectos da sociedade.

LECI BRANDÃO

Leci Brandão é cantora, compositora e umas das mais importantes intérpretes de samba da música popular brasileira.  Está em seu terceiro mandato de deputada estadual, e atualmente, é Ouvidora Adjunta da ALESP, membro das comissões permanentes de Educação e Cultura, Defesa dos Direitos do Consumidor e Defesa dos Direitos das Mulheres. Leci é, ainda, coordenadora das Frentes Parlamentares para Promoção da Igualdade Étnico-Racial em Defesa dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais; Privatizações e em Defesa do Patrimônio e dos Serviços Públicos de Qualidade. Como parlamentar, apresentou mais de 100 projetos e aprovou mais de 40 leis.


MOVIMENTO BLACK MONEY

Fundado pela empresária Nina Silva, o Movimento Black Money é um hub de inovação para inserção e autonomia da comunidade negra na era digital junto a transformação do ecossistema empreendedor negro, com foco em comunicação, educação e geração de negócios pretos. Um dos nossos pilares de trabalho é a disseminação da filosofia de descrença dos poderes/intenção do Estado no sentido de justiça e equiparação racial, além da promoção do associativismo entre empreendedores negros e comunidade negra a fim de fortalecer o afroconsumo e impactar a qualidade de vida de todos os negros dentro de uma visão Panafricanista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *