Variedades & Tecnologia

Lonely Planet mostra a gastronomia histórica do Caminho de Santiago

 

A edição da Lonely Planet desse mês traz na matéria de capa a culinária encontrada no caminho dos peregrinos de Astúrias a Galícia, na Espanha

O norte da Espanha é conhecido há séculos pelos peregrinos cristãos que cruzam as paisagens inóspitas de Astúrias e da Galícia movidos por uma missão sagrada: chegar a Santiago de Compostela e ao santuário do apóstolo São Tiago. No entanto, a revista Lonely Planet Brasil de novembro traz na matéria de capa um ponto de vista diferente desse trajeto, traçando um mapa dos prazeres da gastronomia espanhola. O interessante é que a culinária do caminho espiritual mais conhecido do mundo mudou pouco durante os últimos séculos.

O trajeto da reportagem começa na vila de Bulnes, provando a cecina de buey (fatias finas de carne de boi defumado) seguida de um ensopado espesso e escuro de couve e pedaços macios de carne de cabrito. Depois é a vez do queijo azul mais famoso da Espanha, o cabrales. Para suavizar o gosto marcante, essa iguaria é servida com uma densa porção de mel – os espanhóis costumam combinar queijo com algo doce.

Os peregrinos passam por Covadonga, o lugar onde morreu Pelágio, rei visigodo cujas forças, segundo a lenda, repeliram um exército mouro de 40 mil homens. Os lagos de Covadonga é localizado em uma das planícies mais bonitas de todo percurso. Perto dali, em um lugar habitado por carneiros e cabritos, encontra-se um dos melhores restaurantes de Astúrias e que parece isolado do resto do mundo.

Os pratos do El Molin de Mingo obedecem regras simples: levam produtos de fazendas orgânicas regionais preparadas de acordo com receitas tradicionais. E a especialidade do local é , talvez, o melhor prato de toda a culinária regional, conhecido como fabada asturian, uma combinação saborosa de feijão, carne de porco, morcela e salsicha. A maioria das grandes cozinhas europeias oferece um prato baseado nessa harmonização de ingredientes – na França, o cassoulet de Carcassone é o exemplo mais famoso.

Da região dos Lagos, a reportagem da Lonely Planet segue para a orla de Astúrias na qual encontra a pequena vila de pescadores de Cudillero. Nesse lugar, as matérias-primas para a gastronomia são retiradas do mar, mas o modo de preparo é o mesmo das montanhas asturianas: ingredientes frescos preparados com critério, como os mariscos em meia concha com limão cozidos no carvão e perfeitamente suculentos.

Da estrada litorânea vai-se em direção à cidade galega de Santiago de Compostela. No O Dezasseis, tradicional restaurante galego, mariscos são preparados em homenagem a São Tiago, cujo símbolo é uma concha. As conchas ainda podem ser encontradas em toda parte de Santiago: modeladas em pedra e vendidas como brincos, entre outros. São quase onipresentes, assim como a famosa Torta de Santiago, feita de amêndoas com uma cruz de açúcar em cima.

Nos arredores de Santiago fica o Fogar do Santiso, lugar no qual barracas vendem crocantes anéis de lula e tentáculos de polvo fritos untados com bom azeite, suco de limão e grossos cristais de sal marinho, além de outras delícias com um preço acessível. As receitas modestas e despretensiosas do lugar parecem uma purificação final da viagem entre Astúrias e Galícia.

A matéria A Rota dos Melhores Sabores também traz informações essenciais de como chegar, como circular e 9 dicas apara aproveitar Santiago de Compostela.

Crédito Foto: Matt Munro
Fonte: Assessoria de Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *