Minas Gerais possui paisagens naturais cinematográficas.

 

Banho de cachoeira, travessias de córregos e rios, mirantes e a recompensa da visão de pedaços praticamente intocados da Mata Atlântica ajudam o turista a encontrar preciosos tesouros naturais guardados entre as montanhas.

Além disso, Minas Gerais é um Estado pródigo em recursos minerais, entre os quais se destacam numerosas fontes de água mineral dos mais diversos tipos. Essas fontes estão disponíveis em cidades do chamado Circuito das Águas, onde os recursos naturais se transformam em atrativos para o turismo de saúde. Deve-se ainda acrescentar que o entorno dessas cidades é repleto de trilhas, cachoeiras e atrações para o ecoturismo.

Quem quiser vivenciar um intenso contato com a natureza em meio aos mais belos cenários do Estado das Minas Gerais deve começar por um de seus parques estaduais. O território Mineiro abriga sete parques florestais nacionais e 14 estaduais, além de florestas nacionais e áreas de preservação ambiental.

Parque Estadual do Itacolomi

O Parque Estadual do Itacolomi fica na região sudeste de Minas Gerais, a 100 km da capital, ocupando uma área de 7.543 hectares de belezas naturais. Situado em Ouro Preto e Mariana e integrando o percurso da Estrada Real, o Itacolomi se torna parte dos cenários dessas cidades históricas.

O destaque é o pico do Itacolomi, com 1.700 metros de altura, do qual é possível se avistar Ouro Preto, Mariana e a região em volta. Outra atração é a Casa Bandeirista, transformada em museu. O imóvel, construído entre 1706 e 1708, é considerado o primeiro prédio público do Estado.

O patrimônio natural, com grande diversidade biológica, é composto por campos de altitude e afloramentos rochosos nas partes mais altas da serra, onde predomina uma flora riquíssima, formada por gramíneas, sempre-vivas, orquídeas e canela-de-ema.

A fauna do Parque é diversificada, podendo ser encontrados mamíferos, répteis, anfíbios e aves das mais variadas espécies, algumas ameaçadas de extinção, como a lontra, a onça parda, a jaguatirica, o lobo-guará, o sauá ou e aves como pavó e o jacuaçu.

Parque Estadual do Rio Doce

Árvores centenárias, madeiras nobres de grande porte e uma infinidade de animais nativos compõem o cenário do Parque Estadual do Rio Doce, a 248 km de Belo Horizonte, um dos poucos remanescentes de Mata Atlântica no Brasil

Com um notável sistema lacustre, composto por quarenta lagoas naturais — dentre as quais se destaca a Lagoa Dom Helvécio, com 6,7 km² e profundidade de até 32,5 metros —, o parque proporciona um espetáculo de rara beleza. As lagoas abrigam uma grande diversidade de peixes, que servem de importante fonte de estudos e pesquisas da fauna aquática nativa, com espécies como bagre, cará, lambari, cumbaca, manjuba, piabinha, traíra, tucunaré, dentre outras.

No local é possível encontrar aves como o beija-flor besourinho, chauá, jacu-açu, saíra, anumará etc. Animais ameaçados de extinção, como a onça pintada, o macuco e o mono-carvoeiro, este o maior macaco das Américas, também habitam a área.

Parque Estadual do Ibitipoca

Ibitipoca, que significa “serra fendida”, é o nome do Parque Estadual situado no sudoeste do Estado, na Serra da Mantiqueira, a 332 km de Belo Horizonte. Parte da Estrada Real, o parque possui vários atrativos naturais, como mirantes, grutas, praias, piscinas naturais, cachoeiras e picos. Entre eles se destacam as grutas da Cruz, dos Três Arcos, dos Viajantes, do Pião e do Coelho. O pico do Ibitipoca, ou da Lambada, com 1.784 metros de altitude, oferece uma vista panorâmica inigualável.

A flora é um grande atrativo do local, com diversas espécies relevantes como orquídeas, bromélias, candeias, líquens e samambaias. Traço marcante da vegetação no Ibitipoca são as “barbas-de-velho”, uma espécie de líquen verde-água que pende dos galhos das árvores, provocando um belo efeito visual. A vegetação floresce o ano inteiro, oferecendo grande beleza cênica.

A fauna do parque possui espécies como a onça parda, lobo-guará, macaco barbado, sauá e sagüi, papagaio do peito roxo, quati e andorinhão-de-coleira-falha, entre outros

Parque Estadual do Rio Preto

Localizado a 355 km de distância da capital do Estado, o Parque Estadual do Rio Preto também faz parte do trajeto da Estrada Real. O parque conta com inúmeros atrativos turísticos, todos com surpreendente beleza, destacando-se as cachoeiras do Crioulo e da Sempre-Viva, as pinturas rupestres e os mirantes naturais que permitem aos visitantes a contemplação de toda a reserva e seu entorno
A área abriga diversas nascentes, dentre as quais se destaca o Rio Preto, um dos mais importantes afluentes do Araçuaí, que, por sua vez, é afluente do rio Jequitinhonha. Os recursos hídricos privilegiados favorecem a formação de cachoeiras, piscinas naturais, corredeiras, sumidouros, cânions e praias fluviais com areias brancas.

Em 1991, o Rio Preto foi declarado Rio de Preservação Permanente, concretizando o grande interesse da comunidade de São Gonçalo do Rio Preto. Esta ação culminou na necessidade de proteger sua nascente. Dois anos depois foi sancionada a lei que autorizou a criação do Parque Estadual do Rio Preto.

Parque Natural do Caraça

Um recanto natural a apenas 130 km de distância de Belo Horizonte, o Parque Natural do Caraça possui ótimas opções de passeios, com inúmeros atrativos naturais.

Criado com o objetivo de preservar o singular ecossistema formado pela conjunção, que ali se dá, da Mata Atlântica com o Cerrado, o parque abriga, junto com a fauna e a flora de grande variedade e riqueza, belas cachoeiras e cascatas, picos e cavernas. Mais de 200 espécies de orquídeas já foram identificadas dentro dos limites do Caraça.

Por ter tantas matas preservadas, o parque é um paraíso para uma enorme variedade de animais. São macacos (como o guigó), quatis, esquilos, antas, gatos-do-mato e, claro, o habitante mais famoso, o lobo-guará, hoje um símbolo do Caraça. Uma das atrações é poder ver o lobo-guará bem de perto, sendo alimentado pelos padres do Santuário, à noitinha.


Minas Gerais conta com uma generosa oferta para o ecoturismo também em fazendas e nas regiões pródigas em atrações como lagos, cachoeiras, matas com espécies raras e belas montanhas. Nos circuitos das serras do Ibitipoca e do Brigadeiro, por exemplo, é possível conhecer alguns dos picos mais altos do Estado e trechos preservados da Mata Atlântica, que pode ser encontrada também na região do Rio Doce, no leste de Minas. Na região Central de Minas, há um circuito que reúne vilas e fazendas que guardam características ainda do Ciclo do Ouro. Cercadas por montanhas e rios, eram roteiro das tropas que levavam o ouro de Minas para o Rio de Janeiro e, de lá, traziam mercadorias para sustentar a atividade extrativista.

Informações: SEDE – Governo de Minas/Secretaria de Estado de Desenvolvimento
Fotos: IEF Instituro Estadual de Florestas Econômico

6 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *