Negócios & Serviços

Hoje tem carnaval de Recife e Olinda no Festuris


Com a alteração do show de Lenine, o músico Alceu Valença será a atração do 24° Festival do Turismo de Gramado. O show ocorrerá hoje, na Sociedade Recreio Gramadense, na festa oficial de abertura do Festuris, a partir das 22h. Anteriormente, a principal atração era o cantor Lenine, mas devido a contratempos na agenda dele, o governo de Pernambuco confirmou Alceu. Com esta nova ação, a Empetur (Empresa de Turismo de Pernambuco) oferece a noite “Pernambuco, é só chegar”, e nela, mostrará o carnaval típico do Estado.

Pernambuco está em contagem regressiva para o Carnaval 2013. Faltando três meses para a folia, o Estado promoverá uma grande festa para o público do Festuris. O comandante desse bloco, Alceu Valença, promete muito frevo e maracatu, entre outros ritmos pernambucanos. A festa, assim como o Carnaval de Pernambuco, é gratuita para os participantes da feira.

A folia pernambucana começa muito antes do carnaval em todo o país, e acontece de forma mais forte principalmente nos bairros do Recife Antigo, em Recife, e na Cidade Alta, em Olinda, e em pequenos focos no restante da cidade. Ritmos comuns são o frevo, a ciranda e o maracatu.

A característica principal do carnaval pernambucano é a democratização da brincadeira. Os foliões participam intensamente das manifestações, sem a necessidade de uma distinção por mortalhas ou abadás.

Nasceu no interior de Pernambuco, nos limites do sertão com o agreste, Alceu Valença foi influenciado pelos maracatus, cocos e repentes de viola. Conseguiu utilizar a guitarra com baixo elétrico e, mais tarde, com o sintetizador eletrônico nas suas canções. Formado em Direito, o músico desistiu da carreira de advogado e de jornalista para seguir com a música. Recentemente, trabalhou em seu filme Cordel Virtual (a Luneta do Tempo), que é um musical que não segue a linha de nenhum musical tradicional. No fundo, é um mergulho que faz em sua infância, no seu passado e este passado tem a trilha sonora das ruas do Nordeste, dos cantadores anônimos, conquistas, violeiros, emboladores, cegos arautos de feira, da música de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, do samba-canção dos anos 50, da música contemporânea brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *