Dicas & Destinos

Você sabe de onde vem, o significado, ou por que dos nomes “mão francesa” e “mão inglesa”?

 

A origem dessas nomenclaturas é bem interessante. Antigamente, os cavaleiros da Inglaterra eram destros, em sua maioria. Assim, eles seguravam suas espadas com a mão direita e permaneciam do lado esquerdo, deixando a direita livre caso entrassem em confronto com algum inimigo. Então, o sentido de circulação foi chamado de “mão inglesa”. Porém, na França, Napoleão Bonaparte ordenou que todos usassem o lado direito, pois ele era canhoto e seus cocheiros deveriam cruzar com ele do lado “certo”, criando assim, a “mão francesa”.

A condição de circulação de um país é na maioria das vezes determinada pelo lado por onde os veículos correm.

Mão Francesa é a que adotamos no Brasil, onde a circulação de veículos é feita pela direita (RHT para right-hand traffic – sigla em Inglês) e a ultrapassagem deve ser feita pela esquerda.

A Mão Inglesa (LHT para left-hand traffic) está presente nos países que possuem circulação pela esquerda  e a ultrapassagem é feita pela direita, pois o tráfego na direção oposta vem por esse lado. As rotatórias são circundadas no sentido horário e o banco do motorista e o volante se localizam do lado direito, vale lembrar que o motorista faz a troca de marcha com a mão esquerda.

Em quase todos os casos o lado do volante é oposto ao lado da circulação, assim veículos de países com circulação à esquerda (LHT) têm volante do lado direito (RHD) e vice-versa. 

Você pode se perguntar – Vou conseguir dirigir em um lugar com mão-inglesa? Sim, pois a falta de jeito geralmente não dura muito, mas quando começar a dirigir seja na Inglaterra, Japão, Austrália, Nova Zelândia ou na Índia (alguns países que a mão também é invertida), redobre a atenção, e tome muito cuidado, pois você não pode se distrair e entrar na pista errada. As locadoras brasileiras não têm, em seus registros, acidentes graves de turistas brasileiros pegos na mão errada.

E opte por cambio  automático, pois a marcha também é invertida.

O sentido de circulação também funciona para praticarmos algumas gentilezas. Um bom exemplo são as escadas rolantes (em sua maioria) com avisos de “Mantenha-se a direita” ou “Deixe a esquerda livre”.

A melhor maneira de um cidadão se comportar em um trânsito é com consciência. Conhecendo e respeitando as leis, evitam-se acidentes e cada um usufrui seus direitos – a pé, motorizado ou pedalando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *